Buraco com prazo de validade

Prestes a assumir a Secretaria Municipal de Eventos, o vereador e levantador de toadas Arlindo Jr mostrou que sua atuação política não se limita a questões artísticas. Até os milhares de buracos nas ruas de Manaus estão na mira do caprichoso parlamentar.

Hoje, no plenário da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Arlindo apontou a solução que encontrou para acabar com as desastrosas crateras espalhadas pela cidade. O problema é que este plano é um tanto quanto…como dizer? Esporádico.

“Vamos resolver este problema dos buracos com parceria. Sempre que a secretaria de eventos fizer festa de aniversário para os bairros, iremos entrar em contato com a secretaria de obras para arrumar as ruas do local. Fizemos isso no São Jorge”

Maravilha, meus queridos. Agora você não precisa mais se preocupar com os buracos gigantes que se formam na sua rua. Trate de se informar quando é o mês de aniversário do bairro e espere ansiosamente. Moro no conjunto 31 de março, logo, o meu dia de sorte já tá chegando. Sobrou triste pra você, Praça 14 de Janeiro.

O Xis da desatenção

Você começa a escrever uma matéria e em um parágrafo se baseia em números e estatísticas. Mas os números não estão na sua cabeça, e necessário fazer uma pesquisa.

Só que parar a matéria pra fazer o levantamento pode ser algo negativo, pois você poderá perder o embalo e empacar de vez na construção do texto. Aí você faz como o repórter do Uol. Coloca um monte de Xis no lugar dos números e deixa para acrescentar as informações depois.

Ei, só não vai esquecer de mudar. Ele esqueceu

Clique e confira:

O insistente

Cansado de subir à tribuna para denunciar o descaso da secretaria municipal de obras em alguns bairros de Manaus, o vereador Ademar Bandeira arrumou um jeito bem interessante de protestar.

Assim que chega no plenário da Câmara, o parlamentar liga o notebook e abre as fotos com ruas esburacadas. Durante toda a sessão as imagens constrangedoras (para a bancada do prefeito) ficam expostas para quem quer ver.

Duvido que vá dar certo, mas gostei muito da ideia. Bandeira parece que anda bastante pelas comunidades, e tomou pra si a responsabilidade de denunciar os problemas. É preciso que alguem se preocupe com isso. Como também é necessário que alguem resolva de verdade.

A triste vingança de Miguelito

Hoje o Brasil amanheceu mais triste e menos irônico. Perdemos estupidamente um grande cartunista que fez parte de toda a minha vida, Glauco Villas Boas foi vítima da violência urbana que ele tanto ironizou em suas tirinhas.

Hoje o Brasil amanheceu menos e mais sacana. Com a morte de Glauco (El Glauquito) a sacanagem que perdeu foi aquela positiva, que ele pregava e que nos dava alegria. A sacanagem do Geraldão, dos Três Amigos…a sacanagem irônica e agradável.

Hoje, infelizmente, os malditos Miguelitos se vingaram

Quase um Garcia

Rafael Siqueira, presidente do IMTT, demonstrou nesta semana que dois raios podem cair em um mesmo lugar. E que “ganhar na loteria” duas vezes é algo bem comum. A prova disso é o texto publicado no Blog do vereador Marcelo Ramos. Confiram:

_____________________________

O presidente do Instituto Municipal de Trânsito e Trasnsporte, Rafael Siqueira, está recebendo do municipio de Manaus R$ 6.577.166,07 por um terreno que seria de sua propriedade e que foi desapropriado há 22 anos pela Prefeitura de Manaus. Um termo de ratificação e aditamento de acordo ajustado entre a prefeitura e Siqueira, permitiu que a primeira parcela de R$ 2, 2 milhões fosse paga em setembro do ano passado.

O acordo prevê que o presidente do IMTT receberá mais 10 parcelas de R$ 477.716,60. Entre 1º de janeiro e 1º de março deste ano, por conta do acordo (veja fac-simile do “Termo de Radificação) Siqueira recebeu mais R$ 1.433.149,80. Outras sete parcelas de R$ 477.716,60, serão quitadas até setembro,totalizando os R$ 6.577.166,07, fora os 1,65 milhões recebidos em 1993 pelo mesmo terreno.

O terreno, que segundo especialistas, não vale R$ 1 milão, está localizado na Estrada do Manoa, Colônia Santo Antônio. A avaliação feita pela justiça estimava que a área tinha valor de mercado de R$ 4,2 milhões, o equivalente a 895 mil 443 Unidades Fiscais do Municipio. Apesar desse valor, também considerado superestimado, a prefeitura resolveu fazer um aditamento a um termo de acordo fimardo em 1993, e considerou a incidência de juros de 0,67% ao mês, o que permitiu que a dívida do municipio com Siqueira inchasse e chegasse ao valor atual.

Embora o acordo tenha sido firmado e os valores venham sendo pagos, há uma terceira pess oa que se diz dona do terreno. Trata-se de José Geraldo de Freitas. Se Freitas provar que o terreno é dele, o Municipio teria entrando num conto de vigário.

A fraude passo a passo.

Abaixo, um levantamento feito pelo vereador Marcelo Ramos, sobre cada passo de uma negócio que agride o contribuinte.

1. Siqueirinha alegou que um terreno seu nas proximidades do Conjunto Manoa fora invadido e com base nisso fez um acordo extrajudicial com seu amigo Prefeito de Manaus em 1993, Amazonino Mendes, no valor de 99.075,00 UFM´s (Unidade Fiscal do Município), chegando a receber 15 das 24 parcelas acordadas num total de aproximadamente 35.000 UFM´s, hoje aproximadamente R$ 1,65 milhões;

2. A Amazonino sai da Prefeitura e o Município pára de pagar o acordo por orientação da Procuradoria;

3. Raphael Siqueira ajuiza Ação Ordinária para pedir o pagamento do restante do acordo;

4. A Prefeitura avaliou o terreno em 21.058,72 UFM´s;

5. A Caixa Econômica Federal avaliou o terreno em 76.208,26 UFM´s;

6. O perito judicial avaliou o terreno em 85.443,84 UFM´s, avaliação que foi impugnada no processo pelo Município (Amazonino não era mais o Prefeito) e pelo Ministério Público Estadual.

7. No decorrer do processo, a Procuradoria do Município descobre e prova (lembremos que Amazonino não era mais o Prefeito) que parte do terreno reivindicado fora vendido por Siqueirinha para José Geraldo de Freitas e pede que este seja chamado ao processo no que é acompanhada pelo Ministério Público;

8. O Juiz determina o chamamento do Sr. José Geraldo de Freitas que até hoje no foi encontrado para receber a citação;

9. Um defensor público é nomeado como curador dos interesses de José Geraldo de Freitas e pede que sejam renovados os esforços de citação do interessado;

10. O Ministério Público Estadual pede que Siqueirinha seja obrigado a comprovar a titularidade das terras sobre as quais reivindica indenização;

Antes que a relação processual se complete com a citação do litisconsorte e sem juntar qualquer prova de que as terras eram suas, Siqueirinha faz um acordo . O resto você confere no fac-simile

Faltou combinar com os empresários…

Amazonino Mendes bateu o pé, xingou jornalista, gritou e garantiu que não ia faltar ônibus em Manaus. No melhor estilo negônico, Big Black disse que esse tipo de estratégia caótica faz parte do passado de Manaus, que agora tem um prefeito e um Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT)…fez tudo isso, mas esqueceu de combinar com os empresários.

O dia raiou em Manaus com apenas 68% da frota de ônibus nas ruas. As empresas esconderam nas garagens 408 veículos , do total de 1,2 mil que compõem o sistema. Os números não são meus. Foram divulgados pelo próprio IMTT, após uma fiscalização realizada pelo órgão. Nem quero pensar na quantidade de ontem, quando as filas eram maiores.

E agora, Negão?

Futebol é pauta entre vereadores

Ouvir as discussões que rolam  na Câmara Municipal de Manaus (CMM) pode ser algo muito engraçado, principalmente aquelas que acontecem nos bastidores. Hoje os vereadores Leonel Feitoza, Joaquim Lucena e Mitoso travaram uma ferrenha discussão sobre futebol amazonense (durante a aprovação de uma mensagem enviada pelo prefeito).

Ironizado pelos colegas, Mitoso (que também é presidente do Nacional) esqueceu do ambiente que estava e emcampou uma defesa ao Leão da Vila Municipal. O diálogo entre eles aconteceu mais ou menos assim:

Joaquim: Rapaz, essa Nacional não ganha uma. Já empatou na Copa do Brasil

Mitoso: Como não? Ontem mesmo nós ganhamos um jogo

Leonel: De quem?

Mitoso: CDC Manicoré

Leonel: PUUUUtaqueopario…e eu achando que a gente tava falando de futebol.

De fato. Não consigo imaginar o que é mais difícil de aceitar. Vereadores discutindo futebol durante sessão da CMM, ou um dirigente do Nacional se vangloriando de ter vencido o CDC Manicoré. Triste