Ela disse não…

CONFIRMADO…

Em carta escrita aos meios de comunicação a viúva do ex-senador Jefferson Péres, D. Marlídice Péres (PDT) não aceitou o convite feito pelo prefeito de Manaus Serafim Corrêa (PSB) para ser vice em sua chapa à reeleição. A convenção do PSB está marcada para amanhã às 11h, na quadra da escola de samba Balaku Blaku.

Os nomes ainda cotados para assumir a vaga são os de Pauderney Avelino (DEM) e um representante do PCdoB, que pode ser o vereador Marcelo Ramos ou a deputada federal Vanessa Grazziotin.

RÁ..DEI FURO NO HOLANDA \o/

Anúncios

No Oscar for you

Muita gente diz isso e eu, atualmente, concordo: o mundo é dos espertos. Um dos leitores mais ferrenhos deste blog e grande amigo meu, o Victor – também conhecido como “Taludinho”, “Fuleiro” e outros apelidos carinhosos –, diz que eu não posso deixar as pessoas “pisarem” em mim. Mas como evitar isso se você tem um coração bom e uma vontade enorme de evitar conflitos?

Eu cansei de histórias de políticos corruptos, policiais torturadores, juízes ladrões, assassinos soltos, jornalistas antiéticos, professores faltosos da Ufam. Cansei da população reclamando do atendimento dos servidores públicos. Cansei do trânsito de Manaus. Cansei das pessoas que vivem puramente de imagem que alimentam na cabeça de outras pessoas. Todos querem levar vantagem, querem se achar mais espertos do que os outros. E a lógica é: quem não é esperto, é burro. E por que eu tenho que interpretar o burro? Por que eu tenho sempre que receber a massagem com os pés do mundo?

Chegou ao ponto de você ter que fazer um esforço grande para ser honesto. Muito vistos naqueles desenhos animados antigos, os diabinhos que ficam rondando a nossa cabeça são, hoje, muito mais numerosos do que os anjinhos. Acho que até os anjinhos têm medo de chegar perto para não sucumbirem ao pecado do egoísmo. Sim, egoísmo, porque é como eu disse: se você, em algum momento, for o esperto da história, é porque alguém, em algum momento, está sendo o burro.

Mesmo assim, alguém tem que se sacrificar e aceitar o papel de burro nessa peça bizarra. Eu sou uma dessas pessoas. Fui assim durante a maior parte dos meus quase 22 anos. Algumas vezes isso cansa, mas o importante é contribuir para o equilíbrio das coisas.

Mas quer saber? Eu vou contar o segredo dessa história toda – relaxa, não é um segredo que vai virar título de livro e depois vai vender milhões de cópias por todo o sistema solar. É um segredo que, inclusive, todo mundo sabe: nenhum sacrifício pelo bem coletivo passa em branco. No final do dia, quando você deita a cabeça no travesseiro, você sabe bem quem está interpretando. E aí, algum aplauso?

O plano

Às vezes, as coisas na vida não acontecem do jeito que nós gostaríamos. Mas isso não é motivo para desanimar, pelo menos não a médio prazo. Eu sei que, na hora, sobem a raiva e a frustração para a cabeça, mas, dez minutos depois, você vê que a vida continua e tem que encontrar ainda razões para sorrir por mais uns 50 anos.

Acho que a chave de tudo é ter paciência. Você tem que acreditar que as coisas não dão só errado para você, elas podem dar certo também. Isso não é um post auto-ajuda, no melhor estilo “O Segredo”, porque, na real, é assim que as coisas acontecem mesmo. Um dia você é o cara e, no outro, sem mais nem menos, você não é ninguém.

Mas, pera lá: e se você acreditar que você é sempre o cara? Independente de como o mundo irá reagir a isso? Será que isso é possível?

Esse é o plano.

Hey, ho, o Tulipa voltô

Para quem não sabe, o bar Tulipa Negra está de volta.  Essa é uma novidade que alegra e muito o cotidiano da música independente amazonense.  A festa de reinauguração rolou na última sexta, 6, mas eu não fui.  O Tulipa foi, sem dúvidas, o lugar mais legal onde eu já toquei e eu já estava com saudades.

Um outro bar também abriu na rua da minha casa, a Belo Horizonte, com o nome de Underground Rock & Reggae alguma coisa.  Na verdade, esse bar novo é o antigo “Kaffua”, no qual, inclusive, a minha banda (Aliases) organizou uma festa em abril.  Cara, quantas boas novidades para os rockeiros independentes de uma vez só.

Boas perspectivas estão se acumulando, porque lugar para fazer barulho tem um monte.  Agora só falta o público gostar de nós, só falta ter lugar para gravar CDs de forma profissional e acessível, só falta o Governo apoiar e só falta a imprensa olhar para nós.  Eu já ficaria feliz com alguém para carregar o meu contrabaixo em alguns shows, ou para ajudar a levar as tralhas da bateria toda vez.  A coluna finalmente ficou puta comigo após 21 anos de maus-tratos.

Ser roqueiro nessa cidade é assim mesmo.  É tipo ser torcedor do Corinthians – na falta de um ídolo de verdade, idolatra-se um quase ídolo, o Herrera.  E, como eu sou torcedor do Corinthians e ainda por cima roqueiro, eu realmente pareço "pinto na merda" com pouca coisa.  Mas eu acho isso legal, porque ficar feliz com coisas pequenas é o que muita gente precisa ou deseja ter.  

Falar nisso, tem decisão da Copa do Brasil hoje, lá em Recife.  Go Go Go Timão! o/

Ps.: Andrés, vamos ver o jogo juntos depois da sessão de fotos da formatura?

Saudações corinthianas a todos,

Diego